Muitos livros

Hélio Consolaro*

Nas duas últimas semanas, a literatura em Araçatuba viveu seu auge. De 30/8 a 3/9, cerca de 30 escritores visitaram 12 escolas. Essa atividade mostrou aos alunos do ensino médio a existência de escritores vivos em nosso meio.

Também nesses dias, houve o lançamento de quatro livros: Criatura, de Calula; Contrabaixo, de Tito Damazo; Contos Escolhidos (concurso de contos) e Experimentânea 8, do Grupo Experimental. E a oficina "Como fazer contos", na Academia Araçatubense de Letras, quinta e sexta-feira, coordenada pela acadêmica Cecília Ferreira.

Os escritores gostaram de ter o contato com a juventude. Com certeza, os alunos aprenderam algo de uma forma diferente. E os visitantes também convidaram professores e alunos para participarem da 2.ª Semana da Literatura de Araçatuba, que foi realizada de 8 a 11 de setembro, no auditório do Senac, com a presença de escritores importantes, como Cacilda Amaral Melo.

Na primeira noite, houve a entrega de prêmios aos vencedores do Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba, realizado de fevereiro a agosto de 2010, coordenado pela Secretaria Municipal da Cultura. Foram oferecidos R$ 12 mil em prêmio.

Na sessão do dia 8/9, cada convidado recebeu na porta um exemplar do livro “Contos Escolhidos”, editado pela Academia Araçatubense de Letras (acadêmica Cecília Ferreira) e produzido pela Secretaria Municipal de Cultura, com os 16 contos vencedores do concurso.

Na primeira noite, foi convidado o poeta Sérgio Vaz, periferia de São Paulo, que prefere em seus saraus mandar ao ar poemas, amarrados em balões, a balas perdidas. Apresentou uma literatura militante, que não se contenta em escrever, mas quer fazer que o outro escreva também. Sérgio Vaz encantou a todos, até os mais ortodoxos.

Na quinta-feira, Tiago Novaes de Lima discorreu sobre os problemas da tradução literária. Em seguida, Duxtei Vinhas (Araçatuba) contou seus “causos” caipiras. Neste dia, os freqüentadores da Semana receberam um opúsculo “O Menino que Sonhava de Olhos Abertos”, de Galeno Amorim.

Na sexta-feira, o contador de “causo”, cantador Eufraudísio Modesto Filho (Várzea Paulista) deu uma demonstração com palavras e show sobre a cultura popular. Em seguida, Os Pregadores do Riso (Araçatuba) encenam o drama “Os Palhaços” de Timotchenco Wehbi. Nesse dia, cada ocupante de cadeira do auditório do Senac recebeu outro opúsculo, um estudo sobre Machado de Assis.

No sábado, 15h30, o Grupo Experimental lançou seu livro “Experimentânea 8”, editado por Wanilda Borghi e Marianice Paupitz, produzido pela Secretaria Municipal da Cultura. Muitas pessoas compareceram para ter um livro autografado pelos autores da coletânea. À noite, houve o sarau do grupo com chuva de livros de escritores de Araçatuba doados pela Academia Araçatubense de Letras. E depois a apresentação do poeta Emmanuel Marinho (Dourados-MS).


Agradecimentos ao prof. Tito Damazo (UniToledo) e Vanessa de Paula Rodrigues dos Santos (Uniesp de Birigui) que fizeram da Semana da Literatura aulas para seus alunos do Curso de Letras, levando-os ao Senac.
Agradecimentos ao Senac, ao Sesc, que financiou a vinda do Sérgio Vaz. À Livraria Nobel do Shopping, à Livraria dos Amigos e à Cosan. Não podemos nos esquecer de que o grande benfeitor da 2.ª Semana da Literatura foi o prefeito Cido Sério, que gosta de arte, de literatura e é militante da cultura desde a sua juventude.

Não foi uma bienal, nem uma Flip, mas em 2011 a 3.ª Semana da Literatura será ainda melhor.

*Hélio Consolaro é professor, jornalista, escritor. Membro da Academia Araçatubense de Letras. Atualmente é secretário da Cultura de Araçatuba.